Roma Editora

12.00€

Amo-te - Cartas sem Destinatário
[Paula Martín da Silva]

Amo-te - Cartas sem Destinatário
Conhecer a Paula Martín foi um acontecimento marcante na minha vida. A força, a energia magnética que irradia, a voz sensual, modelada, as frases que não se soltam por soltar, mas que saem em cadência de pensamento, de alguém que pondera de forma sábia, porque conhece o valor das palavras, porque sabe que podem ser preciosas. Foi assim que, ao ver no Facebook uma carta sem destinatário por Paula Martín, pensei «Tenho de ler-te»! E avidamente atirei-me a ela. Fui recompensada. Deixei-me embalar naquela música suave que só quem atingiu a simplicidade – esse dom supremo – sabe tocar. Deixei-me arrastar pela brisa das frases e, assim, fui presa fácil dos abismos em que, sem esperarmos, ela nos lança.
Paula Martín escreve com a pele, com o sangue, com todo o seu interior. Envolve-nos, arrasta-nos, desperta todos os nossos sentidos. Expondo-se generosamente, a escritora expõe- nos também, deixando à vista fragilidades e fortalezas, feridas e alegrias, gritos e sussurros, sem medo nem hipocrisia, coisa que vai sendo rara numa sociedade cada vez mais autofágica e materialista.
Amo-te, cartas sem destinatário é um hino ao amor e ao ser humano. Alguma coisa muda em nós depois da leitura. Uma viagem pelos sentimentos mais íntimos de alguém que, nas suas próprias palavras, «nasceu para nascer».

Isabel Medina Licenciada em Filologia Germânica e Mestre em Análise Comportamental, encenadora, actriz, argumentista, dramaturga, co-fundadora da Escola de Mulheres Oficina de Teatro e autora dos romances Senhora do Cais e O Mercado das Almas.


Cartas sem destinatário pode ser um título enganador porque, de facto, todas as cartas neste livro têm um receptor. Os «destinatários» são todos e cada um de nós. Todos e cada um que as leu na Internet ou que as (re)lerá, agora, impressas.
O papel, em que se apresentam, torna, ainda mais, os textos em verdadeiras «cartas», que o leitor pode tomar como suas ou dirigidas a si. Como se, em determinado dia, tivesse descoberto ou reencontrado, no fundo de um baú ou no recanto esquecido de uma gaveta, um maço de cartas, talvez romanticamente atadas com uma fita de cetim, que um dia alguém lhe tenha dirigido ou, quem sabe, trocadas, num passado mais ou menos distante, por um qualquer antepassado em fase de enamoramento.
Nas memórias evocadas, nos termos utilizados, quantas vezes recordamos o que dissemos ou o que nos foi dito. É esta universalidade despida, truculenta, sem ornamentos supérfluos, que não limita a identificação, em que o leitor se revê, na sua individualidade, que possibilita a falta de destinatário – pelo menos definido e nomeado – para as Cartas.
Paula Martín da Silva escreve estas «cartas» directamente do coração, muitas vezes sem filtrar racionalmente palavras, frases ou conteúdos, não se furtando a repetições, a romanticismos exacerbados e por vezes ridículos, que poderiam ser considerados, numa análise mais imediatista, literariamente menos conseguidos ou correctos. Paradoxalmente, considero ser precisamente essa uma das grandes virtudes destes textos. Os desabafos, por definição, não pressupõem, aliás não possuem, qualquer construção literária. São «gritos de alma», impulsos catárticos, que explodem para o exterior para que o interior não impluda. A razão não é para aqui chamada.
A imediaticidade dos textos remete-nos para o actual mundo electrónico, das redes sociais, dos SMSs, do correio electrónico, em que a carta manuscrita, reflectida, demorada, é substituída pela celeridade – quantas vezes irreflectida – da mensagem escrita em movimento, sem a inviolabilidade do sobrescrito, onde o selo postal foi trocado pelo clique do dedo na tecla Enviar.
O que mais surpreende é que, lado a lado ou intercaladas ou integradas, nesta «escrita das entranhas», surgem frases magníficas, metáforas a um tempo inesperadas e encantadoras, que suscitam o espanto mas também o sorriso cúmplice, e uma prosa plena de poesia. Na leitura, quer seja contínua ou intercalada – a sequência cronológica que, apesar de poder ser intuída, não é explícita, permite um movimento oscilante, saltado ou, até, revisitado –, sente-se a respiração da escrita, ora mais impetuosa e acelerada ora mais tranquila e demorada, característica de difícil execução, pouco comum, e, aqui, plenamente conseguida. Paula Martín da Silva revela-se uma escritora de elevadíssima qualidade, simultaneamente frontal e sensível, com uma capacidade invulgar de nos envolver e transportar para as situações descritas e, sobretudo, para alguns dos locais mais recônditos da sua alma.
Aliás, é a nudez da autora, que se expõe inteira e sem preconceitos, que permite que nos reconheçamos no turbilhão de emoções e que nos identifiquemos como destinatários – e, porque não, como remetentes – das suas Cartas.

Hélder Bértolo Licenciado em Física e Mestre em Biofísica e Física Médica, investigador, docente universitário e empresário de sucesso com a Urban Science. É autor do romance Os Anjos de Gabriel.

Comentrios (1)
Idiomas
Português English
Pesquisa Rpida
 
Utilize palavras chave para pesquisar Artigos.
Pesquisa avanada